Marketing Jurídico: Regras para postar no Facebook

Informador Jurídico: Advogado, saiba escolher para ser escolhido
18 de novembro de 2016
escritorio-de-advocacia-necessidades-basicas
Prioridades de um escritório de advocacia
18 de novembro de 2016
marketing jurídico no facebook

O marketing jurídico no Facebook é permitido, porém existem algumas regras a serem seguidas, veja-as aqui.

A SNAP Informática, já lhe mostrou na matéria “(Marketing Jurídico: Como fazer)” as formas de se divulgar na internet e também já lhe mostramos na matéria sobre o (Início do caminho) de um advogado a importância desse passo. De fato o marketing jurídico é um impulso para projeção dentro do mercado, mas você sabia que a página do Facebook não pode conter viés mercantilista?  Advogados e escritórios de advocacia podem criar páginas para auto divulgação na rede social, porém as páginas não podem ter como foco a captação de clientes, isso sequer pode existir na página.  Divulgar custos nesse espaço web é rigidamente proibido.

Logo, se a divulgação dos próprios serviços é proibida, expor uma tabela de preços se torna evidentemente algo irregular caso praticado pelo profissional.  Outra restrição prevista em lei trata da falta de identificação.  O advogado deve deixar claro quem ele é, para que assim o cliente possa pesquisar o histórico de seu possível defensor e ver sua conduta.

Então o que eu faço para ser visto por mais pessoas? O que o advogado, ou empresa, pode fazer é divulgar suas qualidades.  Por exemplo, o advogado não pode vender seus serviços pelo Facebook, mas pode dizer que ele é o melhor em uma determinada categoria ou que tem um número de casos resolvidos em outra categoria.  Impulsionar essas publicações é algo válido, logo mais e mais pessoas podem ver seus serviços e então entrar em contato para que haja uma reunião e sejam definidos honorários etc.

Caso descumpra a lei, estabelecida no inciso IV do Artigo 34 do Estatuto da OAB, em primeira instância o advogado poderá sofrer advertência vinda da OAB do seu Estado.  Em caso de reincidência da infração disciplinar, como previsto no inciso II do Artigo 37, o advogado poderá ser punido com a suspensão do dever em um período de 30 dias a um ano, após julgamento também feito pela OAB de seu Estado.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: